A Menina No Espelho
   
    


TRINTA E POUCOS ANOS. ESCREVE PORQUE LÊ.

"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador."

"Agora um pedido: não me corrija. A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim. E se você me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar. Escrever é uma maldição." Clarice Lispector


CLARICE, SEMPRE.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.



E-MAIL



A MENINA ESCREVE AQUI DESDE 2002






ALGUNS TEXTOS FAVORITOS:
Ritos
Felicidade
Amor
Clarice


OUTROS ESPELHOS
coisas/da/vida
paraFrancisco
Eneaotil
Hiperbreves
Mambembe
Rotina
Expressões
Calma
Joana
Prosadora





DEFYING GRAVITY

WICKED

Elphaba, why couldn't you have stayed calm for once! Instead of flying off the handle!

I hope you're happy

I hope you're happy now

I hope you're happy how you've hurt your cause forever I hope you think you're clever

I hope you're happy

I hope you're happy too

I hope you're proud how you would grovel in submission To feed your own ambition

So though I can't imagine how I hope you're happy Right now

Something has changed within me

Something is not the same

I'm through with playing by The rules of someone else's game

Too late for second-guessing

Too late to go back to sleep

It's time to trust my instincts Close my eyes And leap...

It's time to try defying gravity

I think I'll try defying gravity

And you can't pull me down

I'm through accepting limits

Cuz someone says they're so

Some things I cannot change

But till I try I'll never know

Too long I've been afraid of Losing love I guess I've lost

Well if that's love It comes at much too high a cost

I'd sooner buy defying gravity

Kiss me goodbye, I'm defying gravity

And you can't pull me down!

Glinda, come with me. Think of what we could do - together!

Unlimited

Together we're unlimited

Together we'll be the greatest team There's ever been - Glinda! Dreams the way we planned 'em If we work in tandem

There's no fight we cannot win

Just you and I, defying gravity

With you and I defying gravity

They'll never bring us down!

I hope you're happy

Now that your choosing this.

You too.

I hope it brings you bliss

I really hope you get it

And you don't live to regret it

I hope you're happy in the end

I hope you're happy my friend!

So if you care to find me

Look to the Western sky!

As someone told me lately

Everyone deserves the chance to fly

And if I'm flying solo

At least I'm flying free

To those who ground me

Take a message back from me!

Tell them how I am defying gravity

I'm flying high, defying gravity

And soon I'll match them in renown

And nobody in all of Oz

No Wizard that there is or was

Is ever gonna bring me down!!

I hope you're happy

Look at her:

She's wicked!


Weblog Commenting by HaloScan.com


 
Medo

quarta-feira, 23 de maio de 2007

 
A importância de High School Musical e o começo de algo novo

As crianças gritavam, choravam, esperneavam, abraçavam os pais com uma mistura de desespero e alegria. Qualquer insinuação - mesmo que singela - da presença deles nas redondezas era motivo para histeria generalizada. Coisa que eu, particularmente, não via desde o show do Menudo, nos anos 80, ou desde a adoração setentina por John Travolta e Olivia Newton-John, em Grease. Coisa que se parece com o fascínio histérico nos vídeos antigos de fãs dos Beatles. Fanáticos, apaixonados, loucos, delirantes. Foi lindo. E assim, o show do mais novo fenômeno da Disney me mostrou, na platéia, o começo de algo novo – the start of something new.

“Eles não tinham ídolos da geração deles”, me disse uma mãe que acompanhava a filha de 12 anos ao show. “As crianças adoravam Shakira, Latino, funk carioca. Já estava na hora de ter alguém que dissesse algo de bom para os nossos filhos.”

Nada contra Shakira, Latino ou funk, mas as cinquenta mil pessoas que lotaram o estádio do Morumbi parecem concordar que Troy, Gabriella, Ryan e Sharpay – a mais adorada entre os personagens do musical – têm mais coisas boas a dizer do que os outros. “No High School eles cantam letras sem bobagem, dançam, estudam, fazem esporte, fazem arte, se divertem, namoram, convivem com a família... tudo que a gente quer que nossos filhos façam”, disse outra mãe. Tudo que eu quero que meus sobrinhos sejam.

Ter ídolos é importante em qualquer momento da vida. Mais ainda na infância e na adolescência, quando a gente está criando identidade, descobrindo onde se encaixa. O ídolo é um espelho ou um objetivo. É o caso de amor, o ideal, o sonho que motiva, que inspira, que dá exemplo e, às vezes, que dá razão para a vida em uma fase de tantas dúvidas e questionamentos.

Na platéia de High School Musical ninguém questionava nada. Para quê? Aquele era o único momento da vida inteira. Não estou exagerando. Aquelas crianças fariam qualquer coisa para estar lá. Qualquer coisa. Grandes, pequenas, ricas, pobres, educadas ou não, lindas ou apenas bonitas – porque criança feia não há -, simpáticas e desinibidas ou tímidas e recatadas, todas no auge da paixão: aquelas crianças fariam qualquer coisa para estar lá.

As mães, elegantes ou não, jovens ou nem tanto, satisfeitas ou mal-humoradas com a aglomeração de gente, sabiam que os filhos morreriam se perdessem aquilo. Por isso levaram os pequenos, sem reclamar e também sem fazer perguntas. E pais, e tias, e tios, primas, irmãos, até avôs e avós - todos em um turbilhão coletivo, a magia que se cria quando algo de bom está por vir. É romântico, mas é preciso ser assim. É disso que precisam as crianças, os adolescentes, os adultos. De romance, de mágica, de menos chatice e rigidez, de novidade boa.

Essa é a importância de High School Musical. Trazer algo de novo – ainda que seja velho. Trazer o velho que se perdeu e que, por isso, é novo de novo. Transformar o futuro. Transformar as crianças que se tornam adultos antes do tempo em crianças outra vez. Eles não tinham ídolos deles, agora têm. E a importância desses ídolos, difícil de acreditar para quem é rebelde, é muito maior do que o próprio sucesso. As crianças que amam, gritam e choram, sabem.





This page is powered by Blogger.