A Menina No Espelho
   
    


TRINTA E POUCOS ANOS. ESCREVE PORQUE LÊ.

"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador."

"Agora um pedido: não me corrija. A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim. E se você me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar. Escrever é uma maldição." Clarice Lispector


CLARICE, SEMPRE.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.



E-MAIL



A MENINA ESCREVE AQUI DESDE 2002






ALGUNS TEXTOS FAVORITOS:
Ritos
Felicidade
Amor
Clarice


OUTROS ESPELHOS
coisas/da/vida
paraFrancisco
Eneaotil
Hiperbreves
Mambembe
Rotina
Expressões
Calma
Joana
Prosadora





DEFYING GRAVITY

WICKED

Elphaba, why couldn't you have stayed calm for once! Instead of flying off the handle!

I hope you're happy

I hope you're happy now

I hope you're happy how you've hurt your cause forever I hope you think you're clever

I hope you're happy

I hope you're happy too

I hope you're proud how you would grovel in submission To feed your own ambition

So though I can't imagine how I hope you're happy Right now

Something has changed within me

Something is not the same

I'm through with playing by The rules of someone else's game

Too late for second-guessing

Too late to go back to sleep

It's time to trust my instincts Close my eyes And leap...

It's time to try defying gravity

I think I'll try defying gravity

And you can't pull me down

I'm through accepting limits

Cuz someone says they're so

Some things I cannot change

But till I try I'll never know

Too long I've been afraid of Losing love I guess I've lost

Well if that's love It comes at much too high a cost

I'd sooner buy defying gravity

Kiss me goodbye, I'm defying gravity

And you can't pull me down!

Glinda, come with me. Think of what we could do - together!

Unlimited

Together we're unlimited

Together we'll be the greatest team There's ever been - Glinda! Dreams the way we planned 'em If we work in tandem

There's no fight we cannot win

Just you and I, defying gravity

With you and I defying gravity

They'll never bring us down!

I hope you're happy

Now that your choosing this.

You too.

I hope it brings you bliss

I really hope you get it

And you don't live to regret it

I hope you're happy in the end

I hope you're happy my friend!

So if you care to find me

Look to the Western sky!

As someone told me lately

Everyone deserves the chance to fly

And if I'm flying solo

At least I'm flying free

To those who ground me

Take a message back from me!

Tell them how I am defying gravity

I'm flying high, defying gravity

And soon I'll match them in renown

And nobody in all of Oz

No Wizard that there is or was

Is ever gonna bring me down!!

I hope you're happy

Look at her:

She's wicked!


Weblog Commenting by HaloScan.com


 
Medo

segunda-feira, 31 de março de 2003

 
Amídalas Exaustas
Ai, como a gente corre! Como tudo às vezes é um monte de chuva caindo do céu, fora de controle, com barulho, susto. Imprevisão do tempo, eu diria. Será que é isso mesmo a vida? Esse descontrole? Domingo fizemos a pré-estréia de Amídalas e foi uma corda no pescoço, apesar de toda a nossa antecipação, é sempre assim. No fim, claro, dá certo. Ai, mas que cansaço. Tô mais feliz do que cansada, eu acho. Mesmo assim me pergunto. Estamos cheias de perguntas e nenhuma resposta. Será que foi assim mesmo que Deus imaginou a vida quando resolveu criar esse ser complicado, complexo e eternamente insatisfeito que é o ser humano? Será?

E esta semana promete!
Vamos lapidar os diamantes...
Diamantes? Bobagem...
Vamos lapidar as amídalas.

Se você acha que é melhor tirá-las,
arrancá-las, dá-las ao cão...
Não! Não!


E o pior é que sempre de repente a gente pára a correria e se pergunta essa mesma pergunta: será que é isso mesmo a vida?

Ela é a dona da banca
Ela é a dona do jogo...
Daniela Mercury




sábado, 29 de março de 2003

 
Eu descobri
(Raul,)
Eu descobri porque este lugar é meio sombrio e angustiado, ainda que eu seja tão cheia de boas energias, e feliz - de certa forma e de muitas formas -, ainda que eu sorria e ria muito, e vá às festas, e converse bastante, e conte piadas ótimas - como a da mala. Eu descobri. Ou eu sempre sei e agora estou capaz de explicar melhor. A angústia vem exatamente de toda essa alegria. Vem de não ter comigo quem eu amo pra dividir tudo isso. Então nos momentos em que eu páro pra pensar só nisso, nisso de sentir muita falta de quem eu amo, nesses momentos eu escrevo. Acho que é isso. Só pode ser isso. Você assistiu a Fale Com Ela? Pois ali tem uma frase que diz exatamente isso que eu sinto. Um dos homens do filme explica ao outro por que chora muito quando vê alguma coisa lindíssima - um espetáculo de dança, uma peça de teatro, um filme, um dia de sol, uma flor, sei lá... Ou quando escuta uma música maravilhosa, ou uma história sensacional. Ele chora porque aquilo é tão lindo e ele não tem ali a pessoa que ama pra dividir aquele instante. É por isso. É por isso que eu choro também. É a tristeza de não ter mais como dividir as coisas lindas da vida com quem eu amo. Uma tristeza estranha que só existe mesmo porque eu sou feliz. Ser feliz sem o amor da minha vida ao meu lado é muito, muito triste. Então é por isso essa melancolia aqui, essa densidade, esse peso tantas vezes... É por isso.
Eu acho.
É que hoje ouvi Fábio Jr o dia inteiro então me lembro de algumas certezas.
De que eu amo tanto, meu Deus! Tanto...
Só eu sei quanta falta você me faz...
Será que isso não vai passar nunca?
As horas... as horas... as horas...



quarta-feira, 26 de março de 2003

 
A hora de entender que acabou
Li isto na Nanda e... Meu Deus do Céu!

"Saudade é basicamente não saber.
Mas o pior é reencontrar e descobrir que há diferença:
- você nunca gostou de chocolate amargo..
- agora eu adoro."


...


Chicago
Eu amei o filme!
Tem cenas inacreditáveis de tão boas!
Acho imperdível mesmo...
Por isso entendo ter ganho o Oscar.
Mas...
...As Horas é muito mais filme.



domingo, 23 de março de 2003

 
Mais um amor da minha vida
Fala se você já viu uma coisa mais fofa?
Esta é a Sofia. Uma das razões da minha vida.
Filha da minha irmã favorita.
Que sonho... Quase morro de saudade.
Quase, não. Morro um pouco, sim.
Mas elas sempre vêm...

Sofia mais linda desse mundo!




Uma carta para Raul
Meu querido,
quando eu olho pra essa coisa linda que é a Sofia - como pode ser TÃO maravilhosa? - quando olho assim pra ela, eu também me pergunto onde é que tem dentro de mim lugar pra essas angústias e essas tristezas que escrevo aqui. E, no fundo, sei lá... Tem um pouco disso, sim, mas é tão pequeno, né, perto do milagre que é a vida. Tudo tão pequeno perto da vida privilegiada que eu tenho... Você tem razão quando diz que eu sou animada, e feliz, e essas coisas boas. Sou mesmo. Obrigada por me lembrar.

Atenção: o que a menina escreve neste espelho é só uma parte de mim, que, às vezes, se sente assim, sozinha e triste... por um amor que eu amo e não está comigo... por algumas perguntas que não consigo responder. Mas a minha vida é muito legal e eu sou muito feliz, graças a Deus. Apersar de tudo - quase nada.



sexta-feira, 21 de março de 2003

 
Há qualquer coisa...
Por que será que a gente se torna passiva diante de tudo?
A vida tanto faz. Nada importa.
Eu não estou triste nem feliz.
Não tenho ninguém possível que eu ame.
Nem ando procurando, nem querendo achar.
Esqueci das minhas vontades descontroladas.
Tenho achado que fiz tudo o que quis fazer.
Trabalhei nos lugares que escolhi, escolhi quando sair, decidi tudo.
Acabaram minhas ambições, minhas expectativas.
Fiquei boba, sei lá.
Fiquei fraca de propósito.
Fiquei cansada e resolvi me render.
Não sei também a quê, mas me rendi a alguma coisa.
E o que me intriga um pouco é que nada me incomoda.
A passividade não tem me incomodado.
E isso é um tanto assustador para alguém como eu.
Será que só estou descansando? Ou será que desisti mesmo?

A única coisa que sei é que por você eu enfrentaria tudo.
Mas, hoje, nada importa.

Há qualquer coisa ausente que me anula...

Socorro, não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir
Socorro, alguma alma mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor nem dor
Já não sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate nem apanha
Por favor, uma emoção pequena, qualquer coisa
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos, deve ter algum que sirva
Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento
Acostamento
Encruzilhada
Socorro, eu já não sinto nada
Socorro, Alice Ruiz e Arnaldo Antunes




domingo, 16 de março de 2003

 
“Há qualquer coisa ausente que me atormenta.”
Camile Claudel




sábado, 15 de março de 2003

 
Se ao menos você soubesse
Se você soubesse do meu choro no carro, das letras das músicas que eu canto pra você.
Se você soubesse das coisas lindas que eu digo, do meu esforço, do meu espelho.
Se você soubesse...

Tanto
Tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto
Tanto


Ah, se você me visse sem eu te ver.
Se você me seguisse invisível.
Se você me escutasse falando de nós.
Se você me ouvisse pelo menos um dia.
Um dia...

Pra mim
Basta um dia
Não mais que um dia
Um meio dia


E se a gente esquecesse tudo.
E lembrasse tudo, do começo.
E se a gente se conhecesse de novo.
E tivesse aqueles medos de novo, aquele descontrole, aquela alegria.
E se a gente perdesse a noção da hora como em nossas horas mais felizes...

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir
Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir
Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir
Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu
(...) Não, acho que estás só fazendo de conta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir


Tanto.
Tanto.
Se ao menos você soubesse.
Se ao menos você ainda soubesse.
Se ainda quisesse saber.

Em que esquina do tempo eu te deixei duvidar de que era possível ser feliz assim?
Se ao menos eu soubesse.

Te quero tanto.
Parece que o tempo não passa.
E já se passaram mais de MIL DIAS...
Mil dias sem você e eu ainda te quero tanto.

Ai, que raiva!
Mas a verdade é que nada importa.






sexta-feira, 14 de março de 2003

 
Andando no lugar
Ai, meu Deus, por que é que é tão difícil?
Quando penso - e até sinto - que as coisas começam a caminhar nos eixos e pra frente, Paf! Um dia como hoje... Um dia cheio de coisas boas, cheio de pessoas legais, cheio de sol, elogios, vozes queridas... E pra nada. No fim do dia, cá estou, só, com essa saudade de sempre, essa dor que não me deixa em paz. Que sempre volta. Que chega pesada até nesses momentos em que parece que nada mais me atinge, nada mais me importa, me desafia, me anima, me dá vontades, me derruba... Só parece. Chega assim, pra me maltratar mais e mais e mais. Antes a inércia. Mas nem nela consigo descansar... Que cansaço, meu Deus, que preguiça, que vontade de que acabe a brincadeira. Sem graça há tanto tempo...
Ai, esses dias... Tantos dias.
As pessoas são muito mais infelizes do que felizes.
Então pra quê tudo isso?
Ai, que sono.


A Família que eu escolhi para ser minha também
Existe mais-que-amor? Um sentimento maior? Muito maior...
Tem de existir, porque o que eu sinto por eles é mais-que-amor.
E até no meio dessa dor que dilacera, eles conseguem me fazer feliz.
Minha família amada, idolatrada, adorada... Que agora está aprendendo a viver sem o pai de todos.
Mas eles nem imaginam o quanto são capazes, senão meu tio tão gentil, jamais teria ido.

Dizem que só o TEMPO e o AMOR dos que ficam é capaz de amenizar dores de uma perda tão irreparável. Como o tempo caminha sozinho, eu queria colaborar com a minha porção de amor, que, para vocês, é TODO o amor que eu tenho. Obrigada por vocês existirem perto de mim e por fazerem tanta gente feliz.







domingo, 9 de março de 2003

 
Cinema! Pra variar...
Assisti tanta coisa ultimamente.
Deixa eu dar uma lembrada...

As Horas
Mulheres e Horas
Ma-ra-vi-lho-so. Eu amei.
Fiquei impressionadíssima e encantada.
Achei lindo, tocante, sensível, provocador. Forte.
É o tipo de filme que me pega em cheio.
E estou louca pra ler Mrs. Dalloway.
Os três beijos:
O beijo que Julianne Moore dá em sua vizinha é de um arroubo de compaixão que acaba se transformando numa descarga de corrente elétrica. Ele foi criado para mostrar que ela se conectou com um certo tipo de energia que não estava presente em seu casamento. O beijo no epílogo do filme obviamente representa o final do dia para aquelas mulheres. E o beijo de Virginia Woolf em sua irmã Vanessa é um momento terrível, que traduz desespero, carência e solidão.
David Hare, o roteirista



Adaptação
Nicolas Cage horroroso O ladrão de orquídeas que vai ganhar o Oscar. Ele está demais! Meryl, sempre perfeita.
Ai, sei lá. Não gostei muito.
Tem que ver. Não dá pra falar.
Mas prefiro Quero Ser John M.


Prenda-me se for capaz
Catch me if you can
É bem divertido e gostoso de ver.
Mais ainda porque o cara existiu.
Ele fez coisas inacreditáveis.
Pra sair do cinema sorrindo. E só.
Os figurinos são o máximo!


Gangues de NY
Gangues de NY
Não gostei.
A fotografia é bonita.
Mas tem tanto erro de continuidade que até desanima.
Realmente não gostei. Quase detestei.
Se ganhar o Oscar, me mato.
Mas o Daniel DL merece de melhor ator.


Cristina quer casar
Denise Fraga
Eu esperava tão mais.
Está bem longe de ser bom como Por Trás do Pano, o primeiro filme deles.
Achei bobinho, vazio. Apesar de ter coisas bem boas sobre gente e relações.
Amo a Denise Fraga, mas é Fábio Assunção que vale o filme: está engraçadérrimo.
E tem duas músicas que eu adoro na trilha: Zélia Duncan e Fito Paez.


Deus é Brasileiro
Deus é brasileiro
Adorei.
Cheio de detalhes muito legais.
Deus mora nos detalhes...
E o cara é muuuuito bom.
Apesar do Fagundes ser Deus, o filme é o cara... Digamos, o menino-deus.
(Ele fazia A Máquina, no teatro, e sempre foi muito bom!)


Quem Sabe?
Quem Sabe? - cinema francês
Achei longo demais. Dava pra tirar pelo menos meia hora de filme.
Daí seria ótimo. Mas acaba sendo meio chato.
Apesar de ter coisas interessantes também. Mas cansa.


O Último Beijo
Casamentos... Italianos...
É italiano mas poderia perfeitamente ser brasileiro.
É um retrato dos homens da minha geração. Impressionante.
Dá uma preguiça deles... Nossa, MUITA preguiça.
Mas o filme é bom demais! E a menina é uma mega atriz!!


Esperando o Messias
E a Argentina, como vai?
Eu gostei, mas não é regra.
Vale muito pra quem quer saber da situação atual da Argentina.
O filme é bem sobre gente, no fundo.
Mas pode ser bem chato para alguns.


Assunto de Meninas
Lost and Delirious Meninas... E Meninas...
Amor, Covardia e Desespero Coragem e Medo
É bem adolescente. E achei meio preconceituoso de certo ponto de vista.
Meio ditador de regras de boa criação e bom comportamento para ser feliz e ir para o céu. Afinal, dá a sensação de que a menina tem determinado comportamento em consequência da infância conturbada e da falta de uma família direitinha. Isso me incomodou porque não é necessariamente assim na vida real.
Mas pode ser bastante tocante pra quem tem algum envolvimento com o assunto.
Apesar de parecer exagero, eu sei que não é, e se tornou bom pra mim por isso.
É bem real. Doído. E de um amor bem, bem bonito, eu diria.
Metades e Segredos... de tantas.

...

E hoje fui ao teatro ver
A Impotância de Ser Fiel
A Importância de Ser Fiel
Eu adoro o Tapa.
Adoro a direção do Tolentino.
Achei os figurinos, o cenário e a luz lin-dís-si-mos.
Mas, aaaaaai, que peça comprida!
Quase cansei. Mas não, porque sou fiel.




quinta-feira, 6 de março de 2003

 
Meu querido Tio Samir,
estamos todos aqui, como o senhor vê, eu sei, tentando sobreviver a essa dor, essa dor, essa dor que é a sua ausência, a sua falta. Eu tenho tentado amenizar a minha tristeza de não poder fazer nada diante dessa dor, essa dor, essa dor que vejo nos seus filhos tão maravilhosos, que eu amo tanto. Essa dor, essa dor, essa dor da minha Tia Rita, tão especial, tão querida, tão idolatrada... e eu só fico lá, tentando, no fundo, nada... apenas estar lá. Tento amenizar toda essa dor, essa dor, essa dor... estando lá. E é só o que sou capaz de fazer. Que impotência, mais uma vez. Eu queria fazer milagres.

Mas no meio de toda essa dor, essa dor, essa dor, eu quero te agradecer tanto - e eu sei que já fiz isso tanta vezes quando o senhor estava aqui - agradecer pela sua família ser tão maravilhosa, agradecer pela sua bondade, pela sua gentileza, pela sua generosidade, por ter ensinado tanta coisa pra tanta gente, por ter deixado tantos exemplos. Eu sei que o senhor deve estar aí com "raiva de ter ido" como a minha tia disse, e eu te confesso que estamos aqui também com muita raiva de terem te levado... mas quando estou na sua casa, com aquela gente que é uma luz na minha vida, uma benção, um milagre mesmo, quando estou lá eos vejo, e abraço, e olho, e sinto... quando estou lá, apesar de toda essa dor, esse dor, essa dor, eu me sinto feliz. Feliz mesmo. Lá no fundo mim. Feliz de uma felicidade que até dói sem ser dor, dor, dor assim. Dói de alegria e eu nem me aguento em mim de querer tanto bem, de amar tanto.

Agora que o senhor é onipresente, sei que vê o amor que tenho aqui dentro por vocês. Que sempre tive e você sempre soube, e eu sempre te contei, e eu nunca cansei de repetir. Mas agora eu tenho certeza de que o senhor sabe mesmo QUANTO é.
E, mesmo tendo ainda um infinito pra te dizer, não sei mais.
Obrigada por tudo.
E a sua saudade vai ser pra sempre uma lembrança sem palavras.
A sua casa é um dos meus lugares favoritos nesse mundo.
E a sua família é, de longe, uma das favoritas que conto nos dedos de uma mão.
Obrigada muito por tudo o que senhor me deixou.
Cê sabe, né... tio. Pai da Mari, ainda por cima... além de tudo... Um deus!
Eu te amo pelo vento,
Ju

E só pra registrar aqui o que disseram pro tio Riad, que é tão lindo, e tão verdade:
"Se o Samir não soltar um palavrão no caminho, ele passa do céu..."

E o senhor não leu essa historinha do Calvin aí em cima, puxa....
Todo o meu amor...



segunda-feira, 3 de março de 2003

 
3.33333333333333
Hoje é três do três do três.
Quando dá isso no resultado é infinito, não é?!
Como a nossa dor, dessa perda tão cruel.

E 33 é a idade de Cristo, para nos lembrar... pra gente tentar não perder a fé.




domingo, 2 de março de 2003

 
A morte me cala
Morreu um tio meu tão querido.
De primas minhas tão unicamente especiais.
Da minha tia tão amada, idolatrada.

E por não se poder fazer nada,
dizer é inútil,
então me calo.

Estou em silêncio esses dias.

É difícil demais aceitar algumas mortes.
Entender... não vamos nunca.
Pelo menos aqui, não...
Que dor.





This page is powered by Blogger.